Veja o que nossa gestão fez e está fazendo !

Fabriciano realiza V Seminário de prevenção a Mortalidade Materna, Fetal e Infantil

Foi realizado nesta terça-feira,28, o V Seminário de prevenção a Mortalidade Materna, Fetal e Infantil, em lembrança ao Dia Nacional da Redução da Mortalidade Materna. O evento ocorreu no Auditório Sr. Zezinho, no Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste), e contou com a importante participação de envolvidos com entidades públicas, hospitais, pastoral da criança, conselho de saúde da mulher e da criança, leigos, e civis.

 

Idealizado pelo Comitê de Mortalidade Materna, Fetal e Infantil, o seminário teve como objetivo levantar questões fundamentais sobre o tema “Situação, tendências e perspectivas da mortalidade”, e o monitoramento de números em Coronel Fabriciano e regiões metropolitanas do Vale do Aço. Além disso, foi discutido sobre os índices de mortalidade e as causas evitáveis, que podem ser sanadas na inserção de políticas públicas de qualidade no município.

 

De acordo com dados do município, desde 2014 não há casos de Mortalidade Materna. Entretanto, em 2018, o número de óbitos infantis, ou seja, de crianças menores de um ano, o número chegou a 14.

 

As causas evitáveis de uma mortalidade fetal estão entre um pré-natal bem assistido; a visão atenta da mãe em uma possível elevação de pressão, diabetes, e até o sobrepeso. Já no óbito infantil, é importante avaliar bem os sintomas, para detectar uma desnutrição, doença respiratória, e pneumonia, que podem se agravar com o tempo.

 

Segundo a enfermeira referente à saúde da mulher, Fernanda Faria Botelho, o comitê garante a possibilidade de discutir a questão dos óbitos maternos e infantis, e suas possíveis causas. “É muito importante alertar e chamar a discussão desses grupos sobre a importância do comitê, mantendo-o forte e atuante, com caráter educativo dentro do município”, disse.

 

Na parte da tarde foi realizada uma mesa redonda com o tema “O cenário Materno e Infantil, e políticas públicas de saúde na rede SUS”. Compondo a mesa, foram convidados os representantes do hospital Vital Brasil e Marcio Cunha, do município e do estado de Minas Gerais, para discorrer sobre o assunto proposto.

 

Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher e Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna

Definido no IV Encontro Internacional Mulher e Saúde, em 1984, na Holanda, o Dia Internacional de Ação pela Saúde da Mulher foi criado com objetivo de reduzir os casos de morte materna que ocorria na época. Sendo assim, no V Encontro, realizado em São José da Costa Rica, a Rede de Saúde das Mulheres Latino-Americanas e do Caribe (RSMLAC), propôs que a cada ano, no dia 28 de maio, uma temática nortearia ações políticas que tinham como objetivo prevenir mortes maternas evitáveis.